capa do post

Reparta a pizza, compartilhe conhecimento

Blog | 2 | 10/04/2021

Existe uma pizzaria super charmosa aqui no meu bairro, em São Paulo, que funciona todos os dias, de segunda a segunda. Pelo cardápio disponível, tem pizza de todo tipo, de vários sabores, doces e salgadas, pequenas e grandes.

O problema é que eles não vendem as pizzas. Não aceitam clientes, nem fazem entrega. As pizzas são feitas somente para apreciação dos funcionários, do pizzaiolo e do dono.

Na verdade, nem as bebidas eles comercializam. É tudo meio que uma amostra: eles fazem pizzas que parecem deliciosas, que inclusive poderiam matar a fome não só de clientes, mas de pessoas que moram na rua, que não têm o que comer.

Mas não, infelizmente, não vendem nada. Doido isso, né?

É tão doido, que não faz o menor sentido, faz? Não, claro que não. Quem vai gastar uma grana imensa, montar um restaurante, decorar, contratar funcionários, preparar a comida e não vender, não fazer nada com aquilo, só pra jogar dinheiro e comida fora?

Bem, se você está estranhando esse papo todo, é porque esta pizzaria não existe. Se você leu até aqui, fique sabendo que a tal pizzaria é imaginária - até onde sei, nenhum restaurante faz isso (pelo menos não aqui no meu bairro!).

A história da pizzaria imaginária é só pra eu te contar que não tem lógica preparar comida boa para ninguém comer, ou escrever um bom livro para ser guardado em uma prateleira. Já pensou se Hollywood gravasse seus filmes, terminasse a produção e simplesmente, guardasse os arquivos em algum depósito sem ninguém ao menos assisti-los?

Chega a ser meio idiota, de tão óbvio que é.

Mas você já parou para pensar como tanta coisa boa, importante e interessante acaba escondida, engavetada, na nossa cabeça, porque não dividimos com ninguém?

Reparta a pizza, compartilhe conhecimento - 2

Você não faz uma entrega super legal e relevante no seu emprego e salva numa pasta escondida no computador; você faz aquele Power Point super elaborado, monta um e-mail organizado, prepara um baita relatório gerencial, dando valor e peso àquele trabalho, e divulga para chefes e equipes. Tudo para que a entrega seja relevante, agregue valor para a empresa e, claro, para valorizar o seu trabalho.

Posso dar muitos exemplos de como fazemos coisas e temos a tendência de dividi-las com alguém, mas gosto bastante do exemplo da pizza: você geralmente a divide com alguém - com amigos, com seu companheiro, com seus pais.

Se você não mora sozinho, eu duvido que algum dia você resolveu comprar uma pizza porque estava com pouca fome, comeu apenas uma fatia e guardou na geladeira até estragar (aliás, acho quase impossível isso acontecer porque nós, brasileiros, parecemos amar uma pizza fria pela manhã). No mínimo, você comeu o resto depois. Mas o negócio é que, provavelmente, você repartiu a pizza com alguém!

Fazer algo importante é como preparar (ou pedir) uma pizza: ficar com tudo para si mesmo é comida demais; você deveria dividi-la!

Você deve ter algo muito bom para dividir com outra pessoa, acredito eu, e pode escolher guardar isso para si. Ou você pode mostrar seu trabalho, compartilhar conhecimento e passar adiante. Repartir a ideia.

Será que você consegue se lembrar de alguma situação na qual você compartilhou algo e alguém foi beneficiado?

Vai ver foi alguma notícia interessante ou uma curiosidade qualquer que você correu para contar para um amigo assim que ficou sabendo, mas aposto que sim, você se lembra de algum momento deste tipo.

Eu mesmo tenho duas situações recentes. A primeira delas aconteceu há umas semanas, ao compartilhar com outras equipes um trabalho que havíamos realizado na área em que atuo, acabamos incentivando retomarem um estudo que havia sido deixado de lado. Consequentemente, iniciou-se uma discussão relevante para a empresa, com resultados que podem ser duradouros.

A segunda situação foi há alguns dias. Recebi uma mensagem pelo Instagram no perfil do @pelomundo_adois, agradecendo por um texto que havia escrito sobre como os conselhos são sobre nós mesmos. A pessoa sentiu que aquilo fazia sentido para a vida dela, ajudando-a de alguma forma.

Esses são exemplos ridiculamente simples de como dividir algo traz grandes benefícios para todos os envolvidos!

Você estar lendo este texto, neste blog, já é fruto dessa teoria de que temos que repartir o que é bom - este site nasceu para compartilhar ideias e dicas de viagem, fotografia e tudo mais que viesse à mente e que tivesse me ajudado de alguma forma.

Um certo dia eu resolvi compartilhar aprendizados, roteiros de viagem e dicas com quem quisesse. Depois de tanto tempo com muita coisa legal em mãos, este blog foi criado. Resolvi repartir com você.

E você, vai repartir a pizza?

Aproveitando, mensalmente eu envio uma Newsletter com os melhores textos e posts que encontrei, dicas práticas e sugestões de livros ou aplicativos, e eu gostaria de dividir com você!

Se tiver interesse, é só se inscrever com seu e-mail!

Texto: Vinícius Marchetti

Reparta a pizza, compartilhe conhecimento - 9

Comentários

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail