capa do post

Você é organizado demais?

Blog | 3 | 2 | 11/08/2021

Você pode ser organizado e planejador demais!

Sim, é isso mesmo que você leu: a organização e planejamento podem te atrapalhar na busca por seus objetivos!

Mas não se engane: não vou escrever aqui sobre como ser desorganizado é ótimo e vai fazer maravilhas na sua vida - pelo contrário, eu tenho certeza de que organização e planejamento são essenciais para o sucesso, seja qual for a sua ideia de sucesso.

Mas o negócio é que dá, sim, para se organizar demais e sim, dá para planejar as coisas em excesso, sem nunca ao menos chegar perto de conquistar o que se almeja.

E se você estiver se perguntando como eu sei disso, bom, neste texto vou te contar como eu mesmo sofri com o planejamento excessivo e, mesmo sendo muito organizado, acabei tropeçando ao longo do caminho por causa disso.

Então, continue lendo: vou dividir com você 4 pontos para que você não caia nas mesmas armadilhas que eu caí; hoje vamos falar sobre:

• Um feedback que recebi;

• Como um skate pode ser tão bom quanto um carro;

• Como estar em movimento não significa estar em ação e

• A importância do timing.

 

E este texto fala de coisas que fazem todo o sentido para todas as áreas da nossa vida.

Se você chegou aqui no blog pelo conteúdo de viagem, este texto serve para você! Ou se você chegou aqui para se inspirar e conseguir dicas de motivação e produtividade, este texto também serve para você!

Então, bora lá?!

Você é organizado demais? - 2

Foto: Victor He - Unsplash

Organizado demais: como foi meu feedback

Em 2017 recebi o feedback mais “estranho” possível: eu era organizado demais e, aparentemente, isso me atrapalhava a conquistar algumas coisas; me atrapalhava a dar o próximo passo na carreira.

Levou quase 3 anos para eu entender que é mesmo possível ser organizado demais e que isso realmente estava impactando minhas entregas no trabalho, a conquista de alguns dos meus objetivos e a realização dos meus sonhos.

Eu realmente tomava bastante tempo me organizando. Até me lembro de algumas situações em que preferi tomar mais tempo para a entrega de um trabalho na empresa, esperando que tudo saísse excelente, no estado da arte, ao invés de ter, ao menos, um esboço em mãos para mostrar. Afinal, eu havia me organizado para isso, e estava seguindo o plano à risca.

Mas às vezes era necessário ser mais rápido, tempestivo. Estava levando muito tempo para mostrar algumas entregas e, com isso, passei uma impressão ruim… eu não estava exatamente passando a mensagem correta, estava?

Quando gastamos muito tempo no planejamento, podemos cair no erro de querer que saia tudo perfeito; ou então nos acomodamos, acreditando que todo o tempo de planejamento antes de agir ainda se faz necessário. Sempre tem alguma coisa faltando antes de entrar em ação.

Mas o fato é que, não importa quanto a gente se organize, nunca teremos a garantia de que algo vai dar certo. E pior, o planejamento excessivo te dá essa ilusão.

Você já ouviu a frase “feito é melhor que perfeito”? Bom, ela está na moda e, recentemente, li uma variação dessa frase em um livro de meados de 1990: “Progresso, e não perfeição, é o que devemos ter em mente.” (o livro é O Caminho do Artista, de Julia Cameron).

A ideia toda é que temos que entrar em movimento, mesmo sem ter tudo pronto. Não significa não ter plano nenhum ou fazer tudo desordenadamente, mas sim atuar mesmo que sem que tudo esteja perfeitamente definido.

Organização demais pode impactar seus sonhos, pessoais ou profissionais, e te dar a falsa ilusão de que você está no caminho certo.

Skate vs carro

Existe um modelo de trabalho que foca em entregas parciais de valor, ao invés de ficar apenas na entrega final. O grande objetivo por trás dessa estratégia é reduzir o tempo de espera pela solução solicitada, testar sua viabilidade e errar antes, permitindo que correções sejam feitas antes do fim do projeto.

O termo para isso é MVP - Minimum Viable Product, ou o Produto Mínimo Viável. Em termos leigos, é um solução intermediária, uma entrega tempestiva, com uso mínimo de recursos (tempo, dinheiro, matéria-prima, etc.) para sua construção e que permite uma noção da entrega final, como um protótipo.

A ideia por trás é não perder tempo desde o planejamento exaustivo até a finalização do projeto e garantir que se está no caminho correto.

Um exemplo conhecido para ilustrar esse modelo de MVP é o seguinte: imagine que o cliente da minha empresa tenha pedido um bom elemento de transporte - um carro, para que ele possa se locomover do ponto A até o B. Certo, tranquilo, um pedido razoável e claro.

Mas leva um tempo para elaborar e construir o carro que ele precisa. Ou que o carro entregue não possua tudo que o cliente espera, de modo que serão necessários alguns ajustes no produto desenvolvido.

O fato é que o cliente precisa sair de A e ir até B. Ele espera ter um determinado transporte para isso (aqui no exemplo, ele deseja um carro), mas no fim, o que ele quer é chegar em B.

E podemos fazer algo para acelerar essa “viagem”: podemos construir um skate em 1/10 do tempo gasto na construção do carro e, com isso, permitir que o cliente se locomova.

Legal, essa historinha doida é um ótimo exemplo de uma entrega mínima de valor! Entregamos o mínimo para que o cliente aja (o skate), mas continuamos o planejamento e execução em busca do que o cliente de fato pediu (o carro)!

Não houve planejamento excessivo, ajustes recorrentes ou a extrema organização para atrapalhar o objetivo.

Resumo: o cliente já pode chegar até o ponto B, mesmo que de forma paliativa, e ganhei tempo para organizar e entregar exatamente o que ele precisa.

Por isso, vale mais a pena bolar um primeiro passo, mirar uma primeira conquista, ao invés de ter em mente o objetivo perfeito final e ficar parado, planejando à exaustão como alcançá-lo.

Ter uma entrega tempestiva é quase tão importante quanto a entrega final!

Estar em movimento não é o mesmo que estar em ação

Você já se sentiu sobrecarregado no trabalho? Essa é uma sensação relativamente comum.

Você tem metas e objetivos no seu emprego, e tem que fazer o que deve ser feito para alcançá-los.

Mas todos os dias você tem inúmeras reuniões, mensagens e e-mails para ler, muitas atividades ao mesmo tempo para priorizar, enquanto tenta contribuir com aquilo que, por vezes, nem é sua obrigação. Você está sobrecarregado.

E com a rotina de Home Office (talvez o melhor termo seja “trabalho remoto”’), essa questão de estafa e atribulação aumentou ainda mais.

Esta situação exemplifica como estamos sempre cheios de atividades, sendo constantemente bombardeados com informações no trabalho e na vida - isso sobrecarrega.

O resultado? Quando você percebe, não resta mais espaço na sua agenda. Você mal arruma tempo para tomar um café, reclamação que passa a ser cada vez mais comum até para quem está trabalhando remotamente.

A realidade é que estamos sempre em movimento, sempre fazendo algo. Estamos sempre ocupados.

 

Já percebeu onde eu quero chegar?

 

Quero dizer que: estar ocupado não é o mesmo que estar trabalhando de verdade naquilo que se deveria.

Não importa se é no trabalho ou na vida pessoal, mas estar sempre ocupado, sempre com alguma atividade em andamento, não significa que estamos atuando da melhor forma naquilo que deveríamos.

Quantas vezes você deixou de entregar algo importante no seu emprego, ou não conseguiu conquistar algum objetivo, por menor que fosse (e estou falando de QUALQUER COISA, como ler um livro por ano, sei lá), mesmo quando estava trabalhando, estava planejando e fazendo algo que acreditava ser o correto mas, que no fim, não adiantou nada?

Bem, essa é a diferença entre estar ocupado e estar em ação de acordo com seus objetivos.

O maior perigo de organizar, planejar e sair fazendo várias coisas é justamente você se deixar levar por várias atividades que só te mantêm ocupado, mas não vão te levar a lugar nenhum.

E essa dica vale para todas as áreas da nossa vida. Por isso, é importante sempre nos perguntarmos se estamos apenas ocupados ou estamos de fato em direção ao objetivo desejado.

Perder o timing da entrega pela demora em agir

Estar no lugar certo e na hora certa é uma frase de efeito, quase um clichê.

Mas não quer dizer que não seja uma verdade. Também costumamos chamar isso de sorte, mas quase sempre isso ter a ver com o timing.

Timing é meio que um termo que diz quando algo aconteceu na hora certa, quando deveria acontecer. Para que esse “algo” não seja uma coincidência (ou sorte), temos que aproveitar o que temos em mãos e acertar o bendito do timing.

Pera aí, como é que é?

Bom, vou tentar dar um exemplo para explicar o meu ponto. Pense em algum lugar que você deseja muito conhecer, uma viagem que você sonha em fazer.

Pensou? Bem, agora imagine que você ainda não viajou para esse lugar porque a passagem aérea é cara demais, ou acima do que você aceita pagar no momento.

Até aqui, tudo ok. Agora vamos supor que você esteja cadastrado em um site de promoções de passagens e recebe um alerta informando que o destino tão desejado está com passagens com preços imperdíveis! Uma baita promoção! É incrível, você quer comprar aquela passagem, afinal, quando é que isso acontece?

Mas antes de comprar você tem que ver com seu chefe se é possível sair de férias naquela data, falar com seu parceiro/amigo/companhia de viagem se eles topam e ainda precisa ver quem vai cuidar do seu pet enquanto estiver fora.

Ah, e aí bateu uma dúvida sobre quanto vai gastar de estadia, já que não tem pesquisado muito sobre o destino nos últimos tempos… e também pensa que pode dar algo errado comprando assim, no susto, na correria… seria melhor se planejar com calma, não? E será que…

Bom, quando (ou se) você finalmente toma uma decisão, a promoção já acabou ou os bilhetes se esgotaram. Você perdeu a chance, perdeu o timing. Uma droga, não é? Nem sempre a organização bem feitinha vai ser sua aliada.

Neste exemplo, provavelmente você já tinha uma ideia de gastos, pois pesquisara o destino em outro momento. Vai ver você também tinha uma pessoa que costuma cuidar do seu pet quando você viaja. E poderia muito bem ter conseguido convencer seu parceiro a fazer a viagem, pois se é um sonho seu, é provável que já tenha falado sobre isso com ele.

Enfim, o que eu quero contar aqui é que eu amo a organização e o planejamento, mas nem sempre teremos planos para tudo, e nem isso é garantia de sucesso.

Mas ao tomarmos uma decisão minimamente embasada e atuarmos para que as coisas funcionem, diminuímos as chances de perder o momento e aumentamos a chance de acertar o timing.

 

Se você não gosta do exemplo da viagem, é só pensar no seu emprego. Tomar a iniciativa para fazer algo, levar uma proposta de trabalho, nem que seja um esboço de algo que vai agregar de alguma forma, muitas vezes conta mais do que fazer algo extremamente bem feito, mas que foi solicitado pelo seu superior.

É muito comum que a iniciativa de propor algo seja até mais valorizada do que algo que foi solicitado, e pode trazer tanto valor quanto o que foi super planejado e que levou tempos até começar a sair do papel.

Por isso, acredito que devemos dar o primeiro passo, agir com estratégia, mesmo que ainda não esteja tudo claro ou definido. É melhor fazer e tentar acertar o timing ao invés de esperarmos e planejarmos tudo certinho e dar a largada tarde demais.

Feito é melhor que perfeito?

Sim, acredito que sim! É mais uma frase de efeito de muito profissional do marketing digital e dos gurus motivacionais, mas acredito de verdade nisso. Por quê?

Simples, porque nós travamos diante do tamanho das coisas que temos (ou sonhamos) fazer! Ficamos pensando em tudo que temos que organizar, planejar e executar, e tentamos fazer tudo perfeito, esperando que as coisas funcionem.

Mas o fato é que não vamos acertar de primeira, nem seremos perfeitos no que estamos fazendo, e quanto mais demoramos para começar, bem, mais vai demorar para conquistar o que queremos (pelo menos, a lógica é essa).

Então, o negócio é começar com o que você tem, com o que você sabe, e ir ajustando tudo ao longo do caminho.

Para citar outro guru do marketing (e esse é referência mundial no assunto): o mais importante é criar a versão inicial e aprimorá-la a partir daí (Jeff Walker, o criador da tão famosa Fórmula de Lançamento, no seu livro “A fórmula do lançamento”).

O meu exemplo

Vou contar uma história que talvez você não conheça. Há muitos anos eu sonhava em escrever e este blog é parte desse sonho se concretizando. Eu sonhei em escrever por tanto tempo, mas nunca havia feito nada. Até que em 2019, decidi me mexer e começar o blog.

Alguns meses depois, o site parecia um navio fantasma: vagando, sem nenhum visitante. Mas, em minha defesa, tinha apenas um ou dois textos postados, e bem mal escritos.

Mas, eu dei o primeiro passo. Havia começado o blog! Dentro de alguns meses, eu estava me dedicando algumas horas por semana à escrita. Não levou muito tempo para conseguir atrair leitores e, bom, quase 2 anos depois, você está aqui!

Não, ainda não recebo milhares de visitantes diariamente, mas considero satisfatório onde cheguei! Ainda estou corrigindo, reescrevendo ou melhorando muitos textos antigos, mas estou aqui! Eu dei o primeiro passo! E ele foi essencial para cada conquista que veio depois!

 

Escrever em um blog não era o meu sonho de escrita, mas sim um livro! Eu queria escrever um livro! De preferência, que fosse algo bom, legal e que ajudasse as pessoas.

E é por isso que eu disse que o primeiro passo do blog foi essencial para cada conquista: eu realizei o sonho de publicar um livro!

Em junho de 2021, o Viagem Hackeada, meu livro sobre organização e planejamento de viagens, foi publicado pela Amazon!

Um sonho que saiu do papel e mal me aguento de tanta alegria! É muito incrível quando você tira um sonho do papel!

Foram muitos meses de trabalho árduo para realizar isso sozinho, mas deu certo! E tudo porque, de novo: eu dei o primeiro passo. Tinha um plano, me organizei e comecei a tirar do papel.

Se eu tivesse esperado por uma hora melhor, mais tranquilo, melhores oportunidades, ter mais tempo para me organizar melhor, talvez eu nem tivesse tanta coisa postada nesse blog! Muito menos um livro publicado!

Então, tome este exemplo de uma pessoa extraordinariamente comum: trace seu plano, se organize, e entre em ação! Você nunca sabe onde isso pode te levar!

Texto: Vinícius Marchetti

Você é organizado demais? - 11

Comentários

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail
Jaqueline

Jaqueline

Amei Vi! Concordo com todas as dicas e amei os exemplos. O livro está um arraso também 👏

Pelo Mundo a Dois

Pelo Mundo a Dois

Muito obrigado! Que bom que gostou do livro e que bom que você deixou seu recadinho aqui! =)

Responder

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail