capa do post

Siem Reap: o Camboja mítico e os pés de galinha

Blog | 3 | 30/12/2022

O Camboja sempre me pareceu algo distante, quase mítico.

Me lembro do primeiro contato que tive com o país, em um filme da minha época de adolescente: Tomb Raider, aquele mesmo, com a Lara Croft interpretada pela Angelina Jolie. Aquelas imagens de templos antigos e cultura mística ficaram marcadas em mim (na maioria das vezes, os meus sonhos mais antigos e inspirações mais fortes de viagem vieram de livros e filmes da minha infância e adolescência).

Mas muitos anos se passaram até que eu pudesse me aventurar durante alguns dias no país, em meio à construções históricas, templos budistas, calor enlouquecedor e multidões de turistas pelas principais ruas da principal cidade do país, Siem Reap (que não é a capital, mas é quase como se fosse).

Tudo isso foi no já distante ano de 2019, quando me hospedei a uma quadra da famosa Pub Street - o nome passa a ideia do que é a rua, mesmo: cheia de bares, restaurantes e todo tipo de agito que os “gringos” europeus e norte-americanos mais amam.

Todo dia eu saía do hotel e caminhava até a rua mais turística da cidade, passando sempre pela mesma pessoa que vendia (ao que me parecia) as mesmas patas de frango na calçada, em um carrinho muito parecido com os carrinhos de pipoca de antigamente, tão comuns aqui do Brasil.

Ele ficava na esquina movimentada de uma avenida com a Pub Street (que costuma ficar fechada para os carros), junto com inúmeras lojas de bugigangas, espaços de massagem, eventos de lutas e barracas de comida.

Depois de cruzar o trânsito caótico em poucos passos, não sem antes desviar das motos e tuk-tuks que passavam cortando os carros, alcançava a rua em que o mundo era diferente. Diferente do que tinha do outro lado da rua - era um mundo quase paralelo: enquanto na Pub Street você vê o turismo e o movimento típico de várias pessoas, das mais variadas partes do mundo, na rua oposta, onde ficava o vendedor de pés de galinha, o mundo era mais “cambojano”.

Estava acompanhado da Nathara, da irmã dela e seu marido, e chegávamos sempre ansiosos por comer e beber algo, já que o dia era normalmente tomado por passeios - Angkor Wat fica a alguns minutos da cidade e Siem Reap é a principal porta de entrada do país justamente por ser a cidade mais próxima da atração mais procurada pelos turistas, que é o templo de Angkor e o complexo construído na região.

Claro que a Pub Street não é o retrato do que é o Camboja, muito menos o principal motivo para alguém viajar até lá. Mas como muitos lugares do mundo, o local tem seu charme, se posso chamar assim.

Esses dois mundos divididos por uma avenida são duas realidades muito diferentes; o estilo de vida do Sudeste Asiático e a adequação e padronização para o turismo ocidental.

Tudo ali, realidades sobrevivendo tão próximas uma da outra em harmonia, coexistindo. Pés de galinha e um trânsito ensandecido, junto com happy hours infinitos e música eletrônica tocando no último volume, sem falar nos gringos de pernas muito brancas e camisas floridas por todo o lado.

É em meio a esse cenário que caminhamos em busca da nossa refeição. O prato ideal a se buscar no Camboja, arrisco dizer, é o churrasco cambojano. Batido entre turistas, mas essencial para tentar resvalar na superfície do que é a cultura e gastronomia desse país de pessoas educadas e acolhedoras.

O restaurante escolhido é um dos vários que têm a opção do churrasco no cardápio, mas, mais que isso, o que oferece o melhor Happy Hour - a cerveja mais barata. E barata aqui é barata de verdade: pints e canecas de cerveja gelada por US$ 0,50!

Siem Reap: o Camboja mítico e os pés de galinha - 3
Siem Reap: o Camboja mítico e os pés de galinha - 4

Nathara em um bar com happy hour insanamente barato (esq.) e o churrasco cambojano (dir.) | Fotos: Pelo Mundo a Dois

Siem Reap: o Camboja mítico e os pés de galinha - 6

Templo Bayon, no Camboja | Foto: Pelo Mundo a Dois

Isso mesmo! Cervejas que não ficam devendo em nada para as lagers que tomamos em qualquer lugar do mundo (no Brasil, inclusive). Cerveja boa e gelada, num calor daquele tipo do Camboja, é como lavar a alma e melhorar os ânimos!

E o churrasco cambojano que escolhemos para acompanhar a bebida gelada é diferente de tudo que vimos, e quando chega na mesa vemos toda a variedade: tem carne de crocodilo, avestruz, vaca, porco, peixe, lula e camarão (arrisco dizer que havia de cobra também, mas minha memória falha e não tenho certeza). As carnes estão cruas e separadas em potes, dispostas na mesa junto com vários tipos de molhos (alguns bem apimentados).

Junto com a imensa quantidade de cortes de carne e potes de molhos, uma espécie de tigela de metal aquecida é colocada na mesa para o preparo da carne, junto também com alguns vegetais. É quase que uma espécie de fondue asiático, uma experiência exótica e necessária!

A ideia é basicamente colocar as tiras de carne no metal e esperar sua fritura, comendo com os vegetais e os molhos oferecidos!

O resumo dessa refeição que, por mais disseminada entre os turistas que esteja, é o seguinte: a carne é boa, a bebida é gelada, os lugares são baratos (uma refeição completa costuma variar entre US$ 4 e US$6) e o ambiente é agradável, mesmo com o calor incessante!



Viajar para a Ásia é isso: as diferenças são evidentes e o choque cultural é inevitável. Você vive uma experiência totalmente diferente, com comidas e costumes nunca vistos, mas mesmo assim você se sente parte da coisa; é claro que as diferenças estão ali, à mostra, mas toda a vibe do lugar te faz gostar e se sentir abraçado por aquela atmosfera doida e atraente.

Me parece que o Sudeste Asiático, e o Camboja, é tão querido pelos viajantes justamente por essa mistura insana que une os mundos, que une o que é diferente e parecido, que traz a novidade mas não te deixa esquecer do conhecido; são as pessoas que te recebem bem, a comida que te conquista e o impacto causado por culturas tão marcantes que complementam essa união!

Esse país tão distante parece surreal e, ao mesmo tempo, é quase familiar. Quase mítico.

Se quiser saber mais sobre o Camboja, confira os outros posts do país aqui.


Texto: Vinícius Marchetti

Siem Reap: o Camboja mítico e os pés de galinha - 10

Essa crônica faz parte de uma série de textos em que falo sobre os lugares e experiências que vivi. A ideia é compartilhar um pouco mais do momento e não tanto dar dicas de viagem (mas acho que, no fim, é sobre isso também).

Siem Reap: o Camboja mítico e os pés de galinha - 12

Comentários

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail