capa do post

Bucket List: plantando sua árvore, colhendo seus frutos

Blog | 4 | 2 | 30/06/2021

Você tem uma lista de sonhos que deseja realizar e de coisas que gostaria de fazer antes de partir? Eu me lembro muito bem de um provérbio (ou o que quer que seja isso) que dizia que, antes de deixarmos essa vida, todos deveriam plantar uma árvore, escrever um livro e salvar uma vida, dentro outras coisas. Essa frase sempre me fez pensar que, de uma forma ou de outra, atos importantes deveriam fazer parte de nossas vidas. Deveriam ser parte dos nossos sonhos.

Então, respondendo à minha própria pergunta, eu acredito que todos nós temos sonhos, uma lista de coisas que pensamos em fazer antes de deixarmos essa terra. Mas nem todos temos objetivos. Não de verdade.

Sonhos são quase como imagens etéreas, permeando nossas mentes por muito tempo; é aquela coisa que você vive fantasiando, às vezes desde muito jovem, mas que não parece algo real pelo que lutar. Já os objetivos são mais concretos, no sentido estrito da palavra: um objetivo é um alvo, é onde se espera chegar, baseado nas ações do dia a dia.

Não quer dizer que sonhos não sejam objetivos. Só quer dizer que nem todo sonho se torna um objetivo, algo que todos nós sabemos bem - é só parar pra pensar em quantas vezes você traçou metas e definiu determinado sonho como um objetivo a ser alcançado; aposto que vai se lembrar de alguns sonhos que ficaram pelo caminho.

E eu acredito de verdade que isso acontece principalmente por causa da motivação e dos nossos hábitos.

Motivação x Hábitos

A motivação é o que aquilo que nos impele a definir sonhos como objetivos e, como consequência, agir para alcançá-los. Então, dá pra dizer com segurança que, sem motivação, dificilmente vamos tomar alguma atitude para conquistar algo.

Já os nossos hábitos vão dizer o quanto estamos focados e organizados para conquistar o objetivo definido. São os hábitos que, dia após dia, farão com que aquele sonho esteja mais perto de se tornar realidade.

O negócio é que a motivação é a fagulha inicial, é aquele primeiro passo que se dá para que metas sejam estruturadas em busca de um objetivo. Mas sozinha, a motivação não vai te levar longe. Este é o mito da motivação: pensar que só a força de vontade é capaz de levar onde você quiser.

Um exemplo muito interessante sobre isso é o que encontrei no livro Hábitos Atômicos”, de James Clear, que dizia que, se estudarmos um idioma por um mês sem parar, com o maior afinco, ainda assim não estaremos perto de sermos fluentes. Não importa o quão motivado eu esteja para começar a aprender outro idioma, se os resultados demorarem para aparecer, eventualmente minha força de vontade vai se esvair e vou acabar desistindo do aprendizado.

O que nos leva adiante, o que nos faz mudar de patamar, é ter hábitos consistentes e um rotina voltada para aquela conquista esperada, e não apenas uma baita força de vontade.

A força de vontade vai fazer você se mexer, mas não te manterá em movimento, e é por isso que precisamos de hábitos para conquistarmos nossos sonhos. Sem executar um plano de estudos nem manter a prática constante, nunca vou aprender outro idioma. Ou mudar de emprego. Ou viajar o mundo. Na real, isso vale para tudo na nossa vida.

A real é que a motivação é superestimada, e eu bem sei disso.

Bucket List: plantando sua árvore, colhendo seus frutos - 3

O mito da motivação

É um mito pensarmos que a força de vontade é capaz de tornar nossos sonhos reais. Se não começarmos a agir, dando um passo por vez, a motivação acaba e ficamos desiludidos, sem sair do lugar, esperando uma injeção de ânimo com algum livro, vídeo motivacional ou algo do tipo. E entramos num círculo vicioso: nos animamos, começamos algo, mas como não temos hábitos saudáveis, o resultado não chega, a vontade acaba e deixamos os planos pelo caminho. Isso até uma nova onda de motivação surgir e nos fazer retomar a caminhada.

Inclusive, pesquisas indicam que, quanto mais usamos da nossa força de vontade, mais rápido ela se esgota (pesquisas citadas em um dos capítulos mais marcantes do livro “O jeito Harvard de ser feliz”).

Por isso eu acredito que sonhos sempre serão sonhos, a não ser que você se mova em direção a eles. Se não começarmos a criar hábitos, adotar valores e agir conforme os planos traçados, tudo não passará de uma nuvem momentânea de ânimo e motivação, que vai se dissipar tão rápido como surgiu.

Traçar planos quando se está motivado é quase como uma pegadinha, porque planejamos, felizes, um monte de coisa que, sem o primeiro passo, vai servir apenas pra deixar o planner bonito, todo preenchido e organizado; acabamos com um bullet journal super lindo, mas sem frutos nenhum.

Não importa se o que está na sua lista de desejos é viajar o mundo, tirar um ano sabático, fazer um intercâmbio, trabalhar fora do país, ou mesmo aprender fotografia, ler mais, emagrecer, ir mais na academia ou escrever um livro. Se o primeiro passo dos planos não for dado, e se todos os dias um pequeno movimento neste sentido não for feito, tudo não passará de um sonho. Estarão sempre na lista de desejos, a tal bucket list (a famosa listinha de coisas pra se fazer antes de morrer).

No fim do dia, o que conta é agir, e agir de forma estratégica. É atuar de acordo com seus planos, adotando uma mentalidade voltada para os objetivos e criando hábitos que te aproximem da vida desejada.

E por que estou falando de todo esse lance de motivação e hábitos?

Porque foi assim que este blog nasceu! Foi assim que criei uma série de presets (filtros para edição de fotos para serem usados no aplicativo Lightroom) com a identidade visual do Pelo Mundo a Dois!

E foi assim que, recentemente (mais especificamente, nesta última semana), um grande sonho se tornou realidade: meu primeiro livro foi publicado!

Colhendo os frutos que você plantou

Viagem Hackeada, um guia que aborda todos os itens para pesquisa, organização e planejamento de viagens, é fruto de um sonho que passou a se tornar realidade no momento em que defini um plano para alcançá-lo e comecei a agir para tal.

Há muitos anos sonhava em escrever algo que genuinamente ajudasse as pessoas, e no início de 2020 a ideia começou a tomar forma na minha cabeça. Mas foi em junho que eu decidi que aquilo deixaria de ser um sonho um dia! Tracei um plano de escrever pelo menos uma vez por semana, sempre manter meu banco de ideias atualizado e, sempre que possível, me manter em contato com o projeto (porque, sim, escrever um livro é um projeto!).

Foram meses me dividindo entre criar conteúdo aqui para o blog, para as nossas mídias sociais (Instagram, Pinterest e Facebook) e a nossa Newsletter mensal, além de escrever o livro, e um ano depois consegui publicá-lo na Amazon!

O que eu posso te dizer é que, não adiantou sonhar com o blog ou em escrever um livro. De nada adiantou comprar agendas, planners e escrever meus sonhos em um lugar para que eu me lembrasse deles.

O que mudou o jogo foi pegar todas anotações e ideias, juntar com a minha motivação e começar a me mexer, um pouquinho que fosse, para mais perto do meu objetivo. Foi escrever um post a cada dois meses no blog. Foi escrever 2 páginas do livro por semana. Foi constantemente agir, criando hábitos que me aproximassem do meu sonho. Depois de um tempo, escrever quase todos os dias para o blog ou para o livro tinha virado um hábito, e eu não precisava mais de força de vontade.

E a partir daí, o negócio só foi melhorando. No começo de 2020 este site tinha UMA ÚNICA visita por mês e eu tinha um total de ZERO páginas escritas do meu livro. Hoje, em junho de 2021, o blog tem mais de 500 acessos por mês e o livro está disponível na loja da Amazon!

Pode parecer pouco, mas é uma conquista imensa! E me orgulho dela! Ainda mais porque eu não trabalho com criação de conteúdo em tempo integral. Tudo isso exigiu muita força de vontade e muita disciplina para criar hábitos melhores e me aproximar de alguns sonhos!

Aliás, eu já havia plantado uma árvore (quando criança, ajudei meu pai a plantar um muda que, anos mais tarde, se tornou uma pequena árvore na frente de nossa casa no interior de São Paulo) e salvado uma vida (a Paçoca, nossa cachorrinha, veio das ruas, e tenho plena certeza de que salvamos a vida dela), então, pensando na lista de coisas que “todos deveriam fazer”, faltava só escrever um livro!

Para finalizar, quero compartilhar o que aprendi (e continuo aprendendo), nem sempre do jeito mais fácil: nós somos responsáveis pelos rumos que nossas vidas tomam; a culpa por qualquer acontecimento pode não ser nossa, mas a responsabilidade de fazer algo com o que temos em mãos, sim.

Se não fizemos algo para que mudanças aconteçam, elas nunca virão. Encontre algo que te motive, onde você possa usar toda a sua força de vontade, e comece a agir antes que seu ânimo vá embora.

Plante sua árvore, colha seus frutos!

Bucket List: plantando sua árvore, colhendo seus frutos - 8

Aproveitando, mensalmente eu envio uma Newsletter com os melhores textos e posts que encontrei, dicas práticas e sugestões de livros ou aplicativos, e eu gostaria de dividir com você!

O que você acha? Topa se inscrever com seu e-mail?

Bucket List: plantando sua árvore, colhendo seus frutos - 11

Texto: Vinícius Marchetti

Comentários

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail
Jaqueline

Jaqueline

Que lindo, Vini!! Feliz de ler o que vc vem conquistando ❤ muito sucesso pra você! E o livro tá massa demaaaais

Responder

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail
Vinicius Bellini da Silva Ferreira Marchetti

Vinicius Bellini da Silva Ferreira Marchetti

Valeu, Jaque! Ainda bem que você gostou! E obrigado por todo seu apoio!

Responder

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail