capa do post

Bar da Dona Onça e o Drink mais suave de São Paulo

Blog | 2 | 2 | 26/08/2021

Esse é um relato do tipo de coisa que a gente nem costuma contar para as pessoas, mas resolvi escrever porque foi tão engraçado, que até o garçom do lugar ficou na mesa rindo com a gente!

 

Mas, estou me adiantando… vamos do começo!

 

Passamos alguns dos últimos dias hospedados no centro de São Paulo, num apartamento no último andar do edifício Copan.

 

Ali é um lugar bastante cobiçado e que atrai muito do movimento na região, pois existem bares, baladas e restaurantes excelentes, muitos deles famosos, e uma boa estrutura (apesar de causar certo receio em muita gente).

 

Um desses lugares famosos é o Bar da Dona Onça (Instagram: @bardadonaonca), tocado pela chef Janaína Rueda e que fica no térreo do Copan. Para nós que estávamos hospedados ali, era a oportunidade perfeita de conhecer o bar em um dia com pouco movimento - no final de semana o lugar estava lotado, sem chance de visitarmos.

 

Fizemos a reserva para o fim do dia da segunda-feira, apenas para garantir uma mesa. Nem foi necessário, já que o bar estava super tranquilo, com poucos clientes.

 

Para começar, quisemos experimentar alguns drinks da casa (afinal, cerveja eu posso tomar em qualquer lugar) e escolhemos o Lage Sour, feito com cachaça, angostura, melado de Cana, limão Tahiti e espuma de clara de ovo, e o Tom Collins, feito com gin, tônica, xarope de açúcar e limão siciliano.

 

Os drinks chegaram - o da Nathara, Lage Sour, num copo baixo e largo, parecido com os copos em que servem whisky, e o de gin em uma taça muito bonita, mais larga na parte de cima, como aquelas de champagne (ou, para ficar mais chique ainda, servido em uma taça coupette).

 

Experimentamos os drinks; o da Nathara era meio esverdeado a bem ácido, e o drink de gin era claro, transparente e com bastante gelo. No meu primeiro gole, achei tudo muito suave.

 

– Hum, bem suave, viu? - falei para a Na.

 

Muito. Até demais.

 

Estranho.

 

Gin é uma bebida amarga, e por ter limão siciliano, estava esperando pelo menos aquele toque cítrico na bebida. Mas não, não senti nada! Passei a taça para a Nathara e pedi para ela experimentar.

 

Ela provou e disse o mesmo… suave demais. Provei mais uma vez e, nada. Comecei a me preocupar.

 

Primeiro, porque os preços do bar, que não é um boteco simples, mas que serve coquetéis e pratos requintados, tem preços um pouco salgados. Segundo, se eu estava tomando algo com gin e não estava sentindo nada, logo, eu devia estar me tornando um alcoólatra! Talvez um bebedor que nem sentisse mais o gosto, sem perceber os efeitos do álcool!

 

Cara, era insano demais!

 

Resolvi tomar um baita gole de uma vez, pois com certeza eu sentiria o teor alcoólico do gin na garganta. Mas continuei na mesma!

 

– Nathara, toma de novo e me diz se isso aqui é mesmo um drink!

 

Ela pegou a taça, tomou e ficou sem graça, porque não estava sentindo nenhum sabor. Olhávamos para o garçom, abaixávamos a cabeça, sem graça, com receio de comentar algo e parecermos idiotas, afinal, quem somos nós para não apreciarmos um coquetel do Bar da Dona Onça?

 

Nós dois estávamos divididos entre reclamar com o bar para ao menos confirmar se aquilo era uma bebida de fato, e sermos feitos de idiotas, tomando algo que não era um drink (e ainda pagando por isso).

 

Ficamos mais alguns minutos rindo, bebericando o drink, rindo mais uma vez, mas a dúvida ali, pairando sobre nós…

 

Mas eu estava muito encabulado. O drink era caro, gente, não dava para negar. Já estava quase chamando o garçom quando ele me olhou e veio até a mesa - Marcelo, se bem me lembro do seu nome.

 

Ele veio até nós e perguntou se estava tudo bem, ao que eu comecei a tentar explicar:

 

– Então, provei o drink e, não sei, me parece muito suave, bem fraco… não sei, é o drink de gin, mesmo? Parece tão fraco que…

– A real é que parece água! - foi o que a Nathara falou, já me cortando e quase rindo!

 

A cara do Marcelo foi cômica! Ele claramente queria rir, mas deu uma segurada e disse que iria verificar… pegou minha taça e saiu.

 

Eu fiquei observando tudo e, quando ele chegou na entrada do bar, uma atendente veio até ele e entregou um copo alto e estreito, com algum coquetel, provavelmente para ele levar até a mesa do cliente. Trocaram algumas palavras e ele veio rindo até a nossa mesa.

 

– É, eu estranhei quando peguei aquela taça, pois achei que haviam mudado a maneira de servir o drink, mas estava errado! Seu gin está aqui!

– E o que estava na taça? Água com gelo, mesmo?

– Exato! Era água gelada!

 

Os três caíram na gargalhada! Não dava para não rir, afinal, a confusão dele foi engraçada, e a Nathara e eu quase estávamos tomando água gelada numa taça chique a preço de ouro!

 

Chega a ser ridículo que, por um instante, nós hesitamos em chamá-lo para perguntar se a bebida estava correta! Como assim, não estava percebendo que era água? Ou era água, ou aquele era o drink mais suave de São Paulo (e quem sabe, do mundo!)

 

Até questionei minha saúde, achando que estava me tornando insensível aos efeitos do álcool!

 

No final, o drink era uma delícia, bem servido e com certeza oferecia certo teor alcoólico! Foi uma ótima escolha!

 

E, mesmo não sendo água gelada, dá pra dizer que minha escolha foi muito suave e uma ótima pedida! E nosso obrigado ao Marcelo, que nos atendeu super bem e ainda riu com a gente da situação!

 

O Bar da Dona Onça fica no Edifício Copan, na Av. Ipiranga, 200 – CJ 27 e 29. O ambiente é mesmo bem gostoso e o bar fica a algumas quadras do metrô República.

 

Veja mais no site deles (clique aqui).

Aproveitando, mensalmente eu envio uma Newsletter com os melhores textos e posts que encontrei, dicas práticas e sugestões de livros ou aplicativos, e eu gostaria de dividir com você!

Se tiver interesse, é só se inscrever com seu e-mail!

Bar da Dona Onça e o Drink mais suave de São Paulo - 4

Comentários

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail
Jaqueline

Jaqueline

Kkkkkkkkkkkk muito bom

Pelo Mundo a Dois

Pelo Mundo a Dois

E você viu que, por vergonha, a gente quase deixa passar uma dessa!

Responder

Escreva um comentário antes de enviar

Houve um erro ao enviar comentário, tente novamente

Por favor, digite seu nome
Por favor, digite seu e-mail